Dia dos Namorados

Dia dos Namorados

Não se engane, o Dia de São Valentim, o famoso Dia dos Namorados na Europa, não é uma invenção dos tempos modernos. A sua origem se encontra numa tradição romana pagã do século IV a.C., em honra ao deus da fertilidade Luperco (Pã na mitologia grega). As histórias divergem quanto ao teor do ritual chamado Lupercalia. Mas os historiadores acreditam que ele acontecia anualmente entre 13 e 15 de fevereiro. Alguns dizem que os romanos, para assegurar a fertilidade e proteção dos rebanhos, ofereciam o sacrifício de dois bodes ao deus Luperco. Um jovem casal seria então batizado com o sangue dos sacrifícios e sairiam pela cidade com correias de couro dos bodes para açoitar mulheres que desejassem ter filhos. Nada é muito certo.

Outra versão da Lupercalia sugere que trata-se de um rito de passagem para a vida adulta, no qual dois jovens se casariam por um ano, no intuito de se iniciar nas alegrias da vida conjugal. Parece que foi exatamente esta tradição que a Igreja Católica considerou inaceitável, quando instituiu uma festa, no dia 14 de fevereiro, em memória de um santo martirizado por ter celebrado o amor, um certo São Valentim. E eis aqui sua história:

No século III d.C., o imperador Cláudio II tinha desejos bélicos que não podia satisfazer, porque muitos homens preferiam ficar em casa para cuidar de suas famílias, em vez de morrer na guerra. A solução encontrada por Cláudio II foi tão simples quanto cruel. Ele simplesmente decidiu cancelar todos os casamentos. Valentim sabia que esta decisão levaria os homens à tentação e optou por desafiar a lei e a ira do imperador. Para não deixar as almas, pelas quais ele era responsável, se perderem no pecado por amar fora do sacro santo casamento, ele começou a celebrar secretamente matrimônios em esconderijos, de modo que os soldados romanos, encarregados de fazer cumprir a lei, não pudessem achá-lo. Porém, Cláudio II ouviu falar de sua desobediência e Valentim foi trazido diante do Imperador. Valentim foi encorajado a renunciar à sua fé cristã para abraçar a lealdade romana, mas ele recusou. Antes de ser executado, Valentim teria enviado várias cartas a seus amigos pedindo-lhes para orar por ele, assinando-as com estas palavras: “Lembrem-se de vosso Valentim”. É também esta lenda que dá origem ao costume, ainda atual, de trocar cartas amorosas no Dia de São Valentim. Valentim foi morto em 14 de fevereiro, ou talvez no dia 24, de 269 ou 270. Até hoje nenhum historiador pode atestar a data. Mas é em homenagem a este Valentin, martirizado e depois santificado, que é celebrado o Dia de São Valentim em vários países do mundo.

O que dizem os visitantes de todo o mundo quando eles falam sobre Paris? Certamente que ela é a cidade do romance e do amor. Nada é mais verdadeiro. Por isso amantes do mundo inteiro vêm reafirmar o seu amor nesta bela capital, onde deixam um cadeado, símbolo do elo do seu compromisso, na Pont des Arts ou se beijam no pátio do Hôtel de Ville para reproduzir a famosa fotografia do fotógrafo Doisneau.

Opções para comemorar o 14 de fevereiro em Paris não faltam. Os cruzeiros no rio Sena são muito populares e todas as empresas concorrem com idéias originais para tornar este passeio o mais romântico possível. Nosso catálogo vai certamente ajudar você a oferecer àquela pessoa especial a noite que ela merece.

a

Descubra Paris

Paris oferece a seus visitantes diversas faces, de acordo com o local visitado e o momento do dia. Assim, existem inúmeras maneiras de contemplá-la e, outrossim, de amá-la.